Ser mãe…

170521_dia_das_maes

Por:Tatiana Amaral
Sem categoria

14

maio 2017

Dia das mães e eu, como legítima bobona que se faz de forte, não poderia deixar de colocar algumas palavras aqui.

Hoje acordei com uma ideia louca na cabeça sobre o que é ser mãe. Sim, ideia louca porque não existe algo mais louco do que assumir esta profissão: ser mãe. Que louco, né? Como pode algo fugir tanto da lógica? Como, em um mundo onde números e contas valem mais do que qualquer outra teoria, podemos entender o que é ser mãe? Vejam só: ser mãe é a conta de matemática mais sem noção que já vi. É um se dividir onde o resultado é sempre uma soma e no final está tudo multiplicado sem nada subtrair. Deu para entender? É, isso nem Freud explica.

Existe algo que acontece quando você se dá conta de que há um pequeno ser que por alguns anos será só seu, mesmo sendo do papai, da titia, dos dindos e da vovó, ele é seu, tenha esta certeza. Algo que te modifica para sempre. Que vira a sua vida de cabeça para baixo, bagunça seu mundo, tira o seu sono e ainda coloca um sorriso tão bobo em seus lábios que deveria ser vergonhoso, mas olha só, não é. Você o exibe sem medo. Assim como as olheiras, o cabelo despenteado, a cara de sono, a sala repleta de brinquedos, os remédios que nunca saem da bancada da cozinha, a música infantil que toca sem parar, se repetindo até que você conheça toda a letra e cante também, e, assuma, você cantou como se estivesse em um show, só para ver aquela coisinha sorrir e tentar te acompanhar.

Tudo que antes era errado, que você criticava e reclamava da sua mãe, que falava dos filhos dos seus primos, hoje é tão certo que você nem se lembra de já ter reclamado um dia, não é mesmo? Pois é, você é mãe. Por isso a casa bagunçada só irrita até eles começarem a rir e se divertir, os pratos na pia podem esperar um pouco mais, os desenhos podem se misturar aos seus relatórios e você vai até se sentir mais leve antes daquela reunião. O celular não fica mais desligado, não é mesmo? Nem na presença do seu chefe. E a foto que aparece todas as vezes que você recebe uma mensagem? Confesse que você olha a tela do celular, mesmo quando o cliente está te mostrando algo, e sorri.

Você sorri. Sabe porquê? Filhos são dádivas de Deus. São as lágrimas mais puras e verdadeiras que derramamos, além de serem as mais doces. São a força que você precisa quando tudo está desmoronando, porque você sabe que precisa estar de pé, por eles, sempre por eles. Filhos são o motivo para fazer você falar baixo e deixar uma conversa para depois mesmo quando a sua vontade é de gritar e jogar tudo no chão. Filhos fazem você pensar, ponderar, resolver tudo com calma. Fazem você ser econômica também, cada verdura tem que valer o centavo pago para que eles sejam saudáveis, não é mesmo? E aquela roupa que não serve mais para um e pode passar para o outro?

Filhos fazem você olhar o mundo, porque você tem medo, mesmo usando aquela capa mágica de super-heroína que nunca vai deixar o cachorro da rua assustá-los, ou que vai segurar a mão deles quando entrarem na escola no fatídico primeiro dia… você tem medo. Porque sabe que não podemos deixar este mundo como está, seus filhos estão nele e vão permanecer nele quando você não estiver mais aqui para resolver tudo. Então, ao ser mãe, você assume mais uma tarefa, como se não bastassem todas as outras. Você agora precisa modificar o mundo, não é mesmo?

E os exemplos? Ah, essa eu confesso que é a parte mais difícil. Já andei uma tarde inteira com um chiclete mastigado na mão porque não encontrava uma lixeira, e eu não poderia jogar na rua e deixar os meus filhos acreditarem que podiam fazer aquilo. A parte boa é que agora carrego um saquinho na bolsa para o lixo deles. Mas tem aquele transito infernal que faz você ter vontade de xingar, mas não pode, porque eles estão ali e precisam aprender que não vale a pena abrir o vidro e dizer um monte de bobagens ao motoqueiro que você quase atropelou por um vacilo dele.

Agora sabe qual é a parte mais mágica em ser mãe? É quando, no final do dia, olhando eles dormindo tranquilamente, você se dá conta de que alguém também fez isso por você. Alguém que te amou da mesma forma, que teve as mesmas dúvidas e os mesmos medos, e assim, mesmo com todos os erros que essa pessoa cometeu e que você enxergou na sua adolescência, você pode se dar conta de que no final deu tudo certo.

E para finalizar quero dizer uma coisa muito importante. Ser mãe, assumir esta profissão – que não é nada fácil – não é uma atividade única e exclusiva das mulheres, e muito menos das mulheres que podem gerar. Existem mãe do sexo masculino, mães que geraram com o coração, mães que na verdade são tias, avós, madrinhas, babá… o importante é que sejam mães, com todos os requisitos que a profissão exige.

E não se engane não: é Trabalho pesado, remunerado com sorrisos, beijos e abraços, precisa de muita experiência em gestão de conflitos, precisa conhecer psicologia, tem que ter um pouco de advogado e médico também, possuir os ensinamentos antigos dos curandeiros, saber criar as histórias mais loucas que uma mente é capaz de criar, e uma por noite, viu? Tem que ser detetive também, afinal de contas alguém tem que encontrar as meias, mesmo quando os pezinhos já são tamanho 40. Tem que entender de culinária, economia, desenhos e personagens da moda. Tem que ser forte, pois vai precisar carregar mochilas e muitas vezes, o próprio filho no colo, mesmo quando ele estiver muito grandinho para isso, sim, você vai carregá-lo e ignorar a dor nas costas. Tem que sorrir muito, chorar escondido, esquecer que está doente, aliás, você não vai adoecer, porque qualquer coisa que tenha vai ser sempre uma coisinha de nada que não vai te impedir de levantar para cuidar dos filhos. Acredite, é assim.

Então ser mãe é, definitivamente, a conta mais louca que já conheci. Porque você sabe de tudo isso, e ainda assim, está com esse sorriso bobo no rosto, adorando poder comemorar este dia. Fazer o quê? É delicioso mesmo!

Feliz dia das mães!

Compartilhe:


Salvador, Bahia. Brasil

contato@tatianaamaral.com